Que tipo de gordura devo usar?

Equipe Lápis de Olho | 19/10/2015

Por vezes as gorduras são consideradas as vilãs da alimentação, mas não é bem assim que funciona em nosso corpo. As gorduras são super importantes para a composição corporal, estando presentes em todas as células de nosso organismo, dando sustentação e mantendo a hidratação intracelular. Fornecem energia para as atividades do dia-a-dia e promovem saciedade. Além disso, são responsáveis por carregar pelo organismo as vitaminas lipossolúveis, A, D, E, e K.

 
O problema está no tipo de gordura que ingerimos. Em nossa alimentação hoje em dia temos muitos produtos que possuem em sua composição a gordura hidrogenada, ou trans, que é muito prejudicial ao nosso organismo pois não é uma gordura natural, é feita a partir da hidrogenação de óleos vegetais. Isso gera uma gordura estável, de consistência firme e que nosso organismo não reconhece como natural, não utilizando-a como fonte de energia, estocando-a nas células de gordura. Com o acúmulo deste tipo de gordura, há o aumento do colesterol ruim, LDL e diminuição do colesterol bom, HDL.

 

 

Dos óleos e gorduras provêm os tão importantes de Ácidos Graxos Essenciais, que não podemos produzir, ômega-3 (ω3) e ômega-6 (ω6). Eles conferem fluidez e manutenção da integridade das membranas plasmáticas (das células), participam da regulação do sistema imune, atuam como co-fatores enzimáticos e auxiliam na redução do colesterol total e LDL séricos. A deficiência destes ácidos graxos leva à mudanças neurológicas, fraqueza, incapacidade de andar, visão embaraçada e dificuldade de aprendizado, e seu excesso associa-se ao aumento do tempo de sangramento, peroxidação lipídica, infecções e diabete melito.

 

 

Mas então, qual a melhor gordura para nossa alimentação?
*Para temperar saladas ou serem utilizados sem aquecer, o ideal é que os óleos não sejam refinados, para que não percam as características originais (de dentro da semente), ou para que pelo menos percam o mínimo possível. Os mais conservados são os óleos Extra-Virgens, com acidez máxima de até 0,5%. Além disso, o óleo a ser consumido deve conter uma boa quantidade de ω3, e quantidade moderada ou reduzida de ω6. Isso porque o.ω6 em específico, aumenta a inflamação corporal, que provoca agregação plaquetária, formação de coágulo, vasoconstrição, infecções e lesões teciduais. Os óleos que possuem melhor qualidade de ácidos graxos (mais ω3 e menos ω6) são o azeite de oliva, óleo de arroz, óleo de linhaça e óleo de semente de uva.
*Quando é feito o aquecimento do óleo ou gordura, além de não ser refinado, precisa ser estável quando no calor, como é o caso do óleo de arroz, azeite de oliva, banha, manteiga e óleo de coco.

Deixe um comentário

3 Comentários

  1. Muito bom o comentário, eu não sabia que óleo de semente de uva também serve para usar na alimentação, eu gostaria de ter mais informações sobre ele.

    • Ana Caroline Ebone em 26/10/2015 às 22:21

      Oi Jacinta! Que bom que gostou! O óleo de semente de uva pode ser usado na alimentação assim como utilizamos o de oliva. É um óleo novo no mercado, mas já se sabe que ele tem muitas das propriedades da uva, vinho e do suco de uva, como o resveratrol e seu poder em reduzir o colesterol.
      Abraço!!

    • Daiana Henckes

      Ahhh nossa Ana Nutri é demais mesmo… sempre ensinando todo mundo! 😀