Quando o agrotóxico entra na nossa mesa

Equipe Lápis de Olho | 21/09/2015

Agrotóxicos, pesticidas, praguicidas, desinfectantes, biocidas, agroquímicos, defensivos agrícolas, produtos fitofarmacêuticos ou produtos fitossanitários são todas designações genéricas, utilizadas para denominar os vários produtos químicos utilizados ​​na agricultura. Estes produtos são definidos como substâncias ou misturas de substâncias, destinadas a impedir a ação ou matar diretamente: insetos, ácaros, moluscos, roedores, fungos, ervas daninhas, bactérias e outras formas de vida animal ou vegetal, prejudiciais à saúde pública e à agricultura. Mas porque devemos nos preocupar com eles? Bom, o perigo começa quando ele é utilizado. Você já deve ter se deparado com pesquisas como esta abaixo, mostrando a quantidade de agrotóxicos nos alimentos, certo?

agrotóxicos 2

 

A aplicação de agrotóxicos pode se dar durante a produção, armazenamento, transporte, distribuição e transformação de produtos agrícolas e seus derivados. Entre os agrotóxicos, também se incluem os desfolhantes, dessecantes e as substâncias reguladoras do crescimento vegetal ou fitorreguladores.

 

 

Vamos entender um pouco mais: se a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou os efeitos tóxicos dessas substâncias em classe I, extremamente perigosos, até a classe IV, muito pouco perigosos (um termo que eu nunca utilizaria), como dizer que são produtos amigos da nossa saúde? Além disso, eles também classificam os tipos de intoxicação que podem ocorrer pelo uso de agrotóxicos: aguda, subaguda e crônica, sendo que na aguda, os sintomas surgem rapidamente; na subaguda os sintomas aparecem aos poucos: dor de cabeça, dor de estômago e sonolência; e na intoxicação crônica pode surgir meses ou anos após a exposição e pode levar a paralisias e doenças como o câncer. Opa, se pode levar ao surgimento de câncer, não pode mesmo ser uma coisa boa! E nós, que “apenas” consumimos, qual seria o nosso tipo de intoxicação? A intoxicação crônica, o último tipo de intoxicação.

 

 

Além disso, o comportamento do agrotóxico no ambiente é bastante complexo: quando utilizado, independente do modo de aplicação, o agrotóxico possui grande potencial de atingir o solo e as águas, principalmente devido aos ventos e à água das chuvas, que promovem a deriva, a lavagem das folhas tratadas, a lixiviação (dissolução) e a erosão. As substâncias sofrem processos físicos, ou químicos ou biológicos, os quais podem modificar as suas propriedades e influenciar no seu comportamento, inclusive com a formação de subprodutos com propriedades absolutamente distintas do produto inicial e cujos danos à saúde ou ao meio ambiente também são diferenciados. Por isso, avaliar o comportamento de um determinado agrotóxico é uma tarefa complexa, visto que vários fatores devem ser levados em consideração. Independente disso, qualquer que seja o caminho do agrotóxico no meio ambiente, invariavelmente o homem é seu potencial receptor.

 

 

A produção, o armazenamento e o uso de agrotóxicos podem representar significativos riscos ambientais e à saúde humana. A legislação sobre agrotóxicos define os procedimentos obrigatórios para fabricação, compra e uso de agrotóxicos. Mas sabe-se que o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, utilizando doses muito acima das recomendadas pelos fabricantes ou até mesmo produtos proibidos no Brasil (contrabandeados).

 

 

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva, a ABRASCO,  lançou a segunda versão do seu dossiê sobre os agrotóxicos, vale a pena conferir aqui, e segundo ela, o brasileiro consome uma colher de sopa de agrotóxico por dia! É de se preocupar muito, né?! Minha sugestão para você que quer conhecer mais sobre os efeitos dos agrotóxicos e entender este contexto são os filmes: “O veneno está na mesa” e “O veneno está na mesa 2”. Neles os agrotóxicos são o foco principal e você pode aprender um pouco mais do porquê agrotóxicos ainda são fabricados e utilizados!

 

 

No Brasil e em diversos países do mundo, cada vez mais agricultores vêm produzindo alimentos sem uso de agrotóxicos, através da produção agroecológica e da orgânica. Esta é a melhor forma de garantir suas saúde e a saúde do meio ambiente, já que retirar estes produtos da natureza e dos alimentos é uma tarefa quase que impossível!

 

 

Deixe um comentário